quinta-feira, 31 de dezembro de 2009

Mensagens Angels - Recados para Orkut

Procura por endocrinologistas aumenta em 50% no final de ano

Ano novo, vida nova, corpo novo, calça nova - e com tamanho bem menor. Quando dezembro se despede, a procura por consultórios de endocrinologia aumenta em 50%. O motivo é sempre o mesmo: emagrecer. Segundo Claudia Pieper, uma das coordenadoras de Pós-Graduação em Endocrinologia da PUC, o mês de janeiro é propício para atingir o objetivo. Além das festas já terem passado, o verão é um ótimo motivador para quem quer perder os quilinhos extras.

"As pessoas procuram o tratamento para ficarem bonitas para o verão e o Carnaval. Elas já chegam com vontade de transformar a vida, têm uma meta de emagrecimento. É fundamental, no entanto, emagrecer com saúde", afirma.

Pieper explica que, para perder peso, é necessária uma reeducação alimentar. Em casos mais graves, pode-se recorrer a medicamentos permitidos pela Associação Brasileira de Estudos sobre a Obesidade (Abeso), como a sibutramina. Já "tratamentos de choque", como os SPAs, não são aconselhados. Segundo a médica, o ideal é que o processo de emagrecimento seja feito aos poucos, sem exageros, para que a pessoa consiga manter-se magra futuramente. "A cirurgia de redução do estômago também só deve ser pensada depois de já se ter tentado outras alternativas, e em casos de risco de morte", orienta.

Segredo é evitar excesso:
A nutricionista e pesquisadora do Instituto Estadual de Endocrinologia e Diabetes, Wilma Amorim, afirma que quem está com dez quilos acima do peso deve evitar frituras, açúcares e fast food. Segundo a profissional, comer carne em excesso também prejudica pessoas que desejam emagrecer.

O segredo, explica, é comer poucas quantidades em intervalos de quatro horas, não deixando de lado nenhum grupo alimentar. "Evite volumes grandes de comida no prato. O certo é distribuir os alimentos em café da manhã, almoço, lanche da tarde e jantar", ensina, ressaltando que o ideal é procurar ajuda profissional e unir a dieta à prática de exercícios. "Toda perda de peso é maior nos primeiros meses e, depois, vai sendo reduzida. Por isso também é importante ser persistente. Tenha em mente que emagrecer é possível, basta querer de verdade", diz.

Emagrecer em 2010 é a resolução de Ano Novo da professora Layla Baptista. Aos 24 anos, ela conta que já fez inúmeras tentativas. Desta vez, no entanto, acredita que vai dar certo. "Quero eliminar dez quilos até abril e, para isso, vou reeducar minha alimentação e praticar exercícios. Já comecei a dieta, mas vou dar uma pausa para as festas de fim de ano, que ninguém é de ferro", brinca.

Fique atento
Exercícios
Praticar atividades físicas ajuda a emagrecer mais rápido e a manter o corpo. Quando você se exercita, desenvolve massa muscular magra e queima gorduras.

Comece em janeiro:
Quem ainda não começou uma reeducação alimentar deve esperar passar o Ano-Novo, depois que as festas terminarem. O ideal é se organizar para iniciar a dieta imediatamente após o dia 1º de janeiro. Nesta data, procure escolher uma sobremesa, um tipo de carne e reduza os beliscos.

Mude os hábitos:
Evite fazer as refeições assistindo televisão, na frente do computador ou em pé. Concentre-se nos alimentos que você está comendo para não exagerar.

Mastigue bem:
Observe: quem está acima do peso costuma comer rápido. Isso prejudica a digestão, que começa na boca, e a saciedade. O ideal é mastigar, no mínimo, dez vezes antes de engolir a comida.

Não compense:
Troque os açúcares por alimentos light e diet, mas evite a compensação. De nada adianta o alimento ter menos calorias, se você triplicar a porção. Ao invés de emagrecer, engorda.

"Já perdi as contas de quantas vezes tentei emagrecer. Todo fim de ano é a mesma coisa, prometo que no ano seguinte vou começar uma dieta rígida. Dessa vez eu sei que será diferente e vou conseguir, pois estou me planejando pra isso. Já fui ao endocrinologista e ao nutricionista, sei o que devo comer e as quantidades certas. Minha meta inicial era emagrecer 15 quilos. Cinco já foram. Até abril, vou eliminar mais dez", diz Layla. Terra Saúde

quarta-feira, 30 de dezembro de 2009

Videogames ajudam a melhorar a cognição visual, diz estudo

Pessoas que jogam regularmente vídeo games processam as informações visuais mais rapidamente, tanto quando estão jogando no mundo virtual como quando colocados frente a situações da vida real. Estas foram as conclusões de um novo estudo publicadas no número de dezembro de 2009 na revista Current Directions in Psychological Science.

Os pesquisadores da Universidade de Illinois e da Universidade de Rochester realizaram uma revisão da literatura sobre o uso de vídeogames, e, segundo eles, encontraram algumas idéias surpreendentes.

Por exemplo, eles verificaram que, ao contrário da crença de que os jogadores "pesados" se tornam menos precisos com o aumento da velocidade dos jogo, os jogadores não perdem a precisão, e se tornam mais rápidos.Segundo os autores, isso provavelmente seria resultado da melhora da cognição visual com a reprodução repetida de jogos.

Além disso, os jogos poderiam retardar uma parte do declínio cognitivo que surge com o envelhecimento.

Portanto, os videogames poderiam propiciar um esquema de treinamento eficiente para induzir uma aceleração geral dos tempos de reação perceptiva, sem diminuição da precisão de do desempenho. Boa Saúde

Maternidade tardia aumenta casos de Síndrome de Down

A decisão de muitas mulheres de ter um filho mais madura contribuiu para aumentar, nos últimos 20 anos, os diagnósticos de Síndrome de Down. A notícia foi divulgada por meio de um relatório da Queen Mary University de Londres. Publicado na revista British Medical Journal (BMJ), o estudo apontou que o número de casos identificados, entre 1989 e 1990, na Inglaterra e, em Gales, foi de 1.075. No período de 2007 e 2008, no entanto, o número saltou para 1.843, um aumento de 71% atribuído à maternidade mais tardia. Segundo os dados do estudo, a probabilidade de ter um bebê com Síndrome de Down é de uma, entre 940 mulheres, com mais de 30 anos. O índice cai mais ainda no caso das que optam pela maternidade acima dos 40 anos, uma, em cada 85 mulheres britânicas.

Os dados apresentados pela pesquisa britânica representam a realidade brasileira também. O adiamento da gravidez é uma escolha muito comum das mulheres, nos dias de hoje. O número de grávidas ou mulheres tentando engravidar na faixa, entre 30 e 40 anos, tem aumentado nos últimos anos. Pelo menos 20% das mulheres aguardam até os 35 anos para iniciar uma nova família. São muitos os fatores envolvidos na decisão de adiar a maternidade: a estabilidade profissional, a espera por um relacionamento estável, o desejo de atingir segurança financeira, ou, ainda, a incerteza sobre o desejo de ser mãe.

À medida em que a mulher envelhece, seus óvulos também envelhecem, tornando-se menos capazes de serem fertilizados pelos espermatozóides. Outro fator a ser ponderado é que a fertilização desses óvulos está associada a um risco maior de alterações genéticas. Por exemplo, alterações cromossômicas, como a Síndrome de Down, são mais comuns em crianças nascidas de mulheres mais velhas. Há um aumento contínuo no risco desses problemas cromossômicos conforme a mulher envelhece.

Quando os óvulos com problemas cromossômicos são fertilizados, eles têm uma possibilidade menor de sobreviver e crescer. Por essa razão, mulheres que estão acima dos 40 têm um risco aumentado de abortos espontâneos também. As taxas menores de gravidez em mulheres acima de 40 são, em grande parte, devidas ao aumento de óvulos com problemas cromossômicos. Já quando os óvulos são coletados em mulheres de 20 a 30 anos, fertilizados e colocados no útero de uma mulher com mais de 40, a chance de gravidez na mulher mais velha é muito maior do que ela poderia esperar, se tivesse utilizado seus próprios óvulos.

O sucesso no emprego das técnicas de doação de óvulos confirma que a qualidade do óvulo é uma barreira fundamental à gravidez nas mulheres mais velhas. Embora a idade, hoje, não se constitua numa barreira intransponível à gravidez, qualquer tratamento de infertilidade, exceto a doação de óvulos, terá menos sucesso em mulheres acima de 40 anos.

Uma das aplicações claras do PGD - Diagnóstico Pré-implantacional - está relacionada com a idade materna avançada, comum entre as pacientes que procuram as clínicas de reprodução assistida. Estas pacientes, normalmente, demonstram insegurança quanto ao risco de malformações fetais, cuja incidência é diretamente proporcional à idade materna. O PGD permite separar os embriões portadores de algum tipo de desordem genética, transferindo para o útero materno apenas os embriões saudáveis, beneficiando principalmente casais com alto risco genético, como doenças de etiologia autossômica dominante ou recessiva. Msn

Faça sua avaliação física gratuita e descubra

Vaidade de fachada. É isso mesmo: você sabe descrever uma esfoliação, conhece os detalhes de cada variedade de cera, mas... É, continua usando a mesma meia mais de uma vez, faz a barba com o sabonete que encontra na pia e por aí segue a lista do desleixo. Pode disfarçar a leitura, para ninguém descobrir esse seu lado bem pouco lisonjeiro. Só não vale negar, porque a gente contou com a colaboração de um time discreto e muito competente de espiãs, que revelaram ao Minha Vida quais os pecados masculinos mais freqüentes quanto à beleza . (faça uma avaliação gratuita e encontre os cuidados certos)Foi por uma boa causa, no entanto. Agora você fica sabendo que prejuízos estão por trás desses maus hábitos diários e claro! aprende como corrigi-los com as dicas de uma especialista internacional em tratamentos masculinos.

A seguir, a fisioterapeuta Andréa Machado, gerente do Thalasso Spa da Praia do Forte (Bahia), confirma as informações descobertas pelas nossas agentes infiltradas e fala tudo o que você deve fazer para se tornar um homem irresistível de verdade.

Pecado 1: Passar a vida com o boné na cabeça
Ele pode até ter sido inventado para proteger você do sol. Mas, hoje em dia, ninguém se lembra disso. Alguns homens têm até a marca redonda na cabeça e o cabelo amassado por causa do que deveria ser um acessório, mas já se tornou peça principal. Conheço muitos que lavam o cabelo e já colocam o boné, nem esperam os fios secarem , afirma a fisioterapeuta do Thalasso Spa. O que há de mau nisso? Simples: a oleosidade dos fios dispara, surge a caspa e, em certos casos, até calvície. Pode ocorrer a obstrução do folículo piloso, impedindo o cabelo de nascer ou crescer. Já o restante dos fios enfraquece e quebra facilmente , explica Andréa. A solução para o problema inclui a óbvia aposentadoria temporária dos bonés, um xampu anti-caspa e o abandono do condicionador, pelo menos até a caspa a acabar. Se nada disso resolver, o jeito é consultar um dermatologista. Para prevenir? Simples: espere o cabelo secar antes de esconder o coitado sob o seu tapa-sol preferido.

Pecado 2: fazer a barba sem produtos específicos
Imagine o trabalho que sua pele tem para se refazer das agressões que você provoca a cada barbear. E nem estamos falando dos cortes ou dos pêlos que, eventualmente, encravam. O próprio ato da raspagem é uma agressão, a oleosidade da pele fica prejudicada com isso , explica Andréa. Taí porque é bobagem das grandes dispensar uma espuma, um creme ou gel específico. Eles ajudam a manter seu rosto macio e devidamente hidratado. Veja como age cada um desses produtos:
Gel: indicado para peles mais oleosas ou com acne (adolescentes, principalmente). Com ele, a lâmina desliza melhor e a chance de ocorrerem cortes diminui bastante. (faça a barba sem se machucar)
Espuma: amolece o pêlo, exigindo menos força e, portanto, pressão sobre o rosto. Rende ótimos resultados em homens de barba muito grossa e com facilidade para encravar os pêlos.
Creme: também forma uma película grossa sobre a pele, facilitando o deslizamento da lâmina. Mas, diferente do gel, o creme também ajuda na hidratação e, por isso, é recomendado para peles secas. Se você acha que isso tudo é frescura e pretende continuar com a espuminha feita pelo seu sabonete (aquele mesmo que serve para lavar as mãos), azar seu. O sabonete realmente amolece o pêlo, como a espuma. O problema é a abrasividade dele, que arrasa a oleosidade da pele. Ou você acha que sua mão e seu rosto têm a mesma resistência? , provoca a especialista. Independentemente da sua escolha, a finalização do barbear deve ser a mesma: trate de ir à perfumaria e comprar uma loção pós-barba sem álcool, que contenha alantoína, aloe vera ou azuleno na fórmula (basta ler o rótulo para identificar). Esses ingredientes acalmam a pele, que acabou de ser agredida , justifica a fisioterapeuta.

Pecado 3: reutilizar a lâmina de barbear
Claro que estamos falando daquelas descartáveis que, em tese, deveriam seguir direto para o lixo depois de usadas. Insistir em reaproveitá-las não tem nada de econômico. A mesma lâmina serve para, no máximo, duas vezes , diz Andréa. Depois disso, ela perde o corte e só irrita o rosto.

Os pêlos encravam e há o risco de desenvolver foliculite, uma espécie de inflamação. E aí, qual o seu palpite: é mais caro trocar a lâmina ou gastar com remédios?

Pecado 4: usar a mesma meia repetidas vezes
Deu vergonha de ler? Pois você deveria ficar vermelho é de fazer uma coisa dessas. Não tem chulé? Ainda bem, mas saiba que seu caminho até lá já está marcado (provavelmente, umas moscas vão lhe servir de guia, inclusive). Sinta só o poder da receita: suor, ambiente fechado e úmido. Mantenha tudo por umas seis horas e voilá! Está formado o banquete para fungos e bactérias proliferarem à vontade. A prevenção é simples: seque bem a região entre os dedos após o banho e use o mesmo par de meias apenas uma vez, dando preferência a peças de algodão (elas absorvem bem o suor e permitem que sua pele respire na medida do possível). Assim, você evita o chulé e o agravamento de micoses.(livre-se da coceira nos pés)

Pecado 5: escaldar a pele num banho quente demais
Seu sonho era ser um camarão cozido, é isso? Não? Então por que você insiste em deixar o chuveiro na posição de inverno? A água muito quente acaba com a oleosidade natural da pele , diz Andréa. Desse jeito, você fica mais sensível a problemas cutâneos, incluindo alergias (além de envelhecer mais rápido). Na próxima ducha, lave-se com água morna. E não raspe a toalha no corpo para se secar. Enxugue apenas o excesso e, ainda úmido, espalhe seu hidratante favorito. A pele absorve melhor , ensina Andréa.

Pecado 6: achar que filtro solar só serve para usar na praia
Para muitos homens parece incrível, mas pode acreditar: os raios solares que ameaçam sua pele de câncer, manchas e envelhecimento não fazem diferença entre os sortudos que têm o mar à vista e os outros coitados, que só contam com rastros de escapamentos pela frente. Por isso, trate de incluir um bom protetor na lista de compras e use-o diariamente. A recomendação vale mesmo para os dias nublados, quando a pele não queima (resultado dos raios UVA).

Nesse caso, ela continua sujeita à ação dos raios UVB, que envelhecem e podem provocar tumores. Prefira um produto com proteção contra os dois tipos de ultravioleta, de FPS 15, no mínimo. Nos primeiros dias de praia, é ideal aumentar para 30, porque a exposição ao sol tende a ser maior , sugere a gerente da filial baiana do spa. (escolha o melhor filtro solar)

Pecado 7: desencravar sozinho as unhas do pé
Parece até que você não teve infância, com direito a muito papel picado na sala. Homem tem mania de sair picotando a unha de qualquer jeito , afirma a fisioterapeuta Andréa. Depois, reclamam que os dedos doem, que não dá para calçar o sapato e por aí vai . Os erros mais comuns dessa traquinagem são deixar as unhas arredondadas, tirar fora os cantos (formando buraquinhos que voltar a perturbar quando a unha começa a crescer novamente) e deixar restos de pele que atrapalham o crescimento da unha. Os cantos precisam ser desencravados, ou seja, sair da carne.

Quando isso não acontece, você sofre os incômodos (às vezes, com pus e inchaço nos pés). Para evitar tudo isso, a dica da fisioterapeuta é simples. Vá ao podólogo uma vez por mês. Esse profissional sabe como desencravar suas unhas, retira aqueles calos causados pelos calçados e faz uma massagem deliciosa , indica. Mas se você tiver tendência ao problema, também evite os sapatos com o bico fino, que espremem um dedo contra o outro. Minha Vida

terça-feira, 29 de dezembro de 2009

Ano-Novo pede branco e você também pode usar!

Mesmo quem não acredita em superstições, pensa no branco como alternativa para passar o Réveillon. A cor é clássica e traz vibrações de paz e tranqüilidade para o ano que está chegando. O problema está na composição do look, principalmente quando os quilos extras ameaçam o visual. "A escolha do tecido e do corte ideal permite que qualquer pessoa use branco sem se preocupar com as marcas no corpo", afirma a estilista Ramona Posh, que criou uma coleção com detalhes banhados a ouro e estampas metalizadas para este verão.

Numa entrevista exclusiva ao MinhaVida, ela ensina como você faz para deixar o visual mais colorido sem abrir mão da elegância que só o branco oferece, mostra como inserir brilhos com sofisticação, revela truques para que a lingerie não marque a roupa e ainda dá dicas para os profissionais de saúde (tão acostumados ao branco) apostarem na cor sem parecer que estão seguindo para o plantão.

Quais os tecidos e cortes para quem está acima do peso?
Qualquer tecido mais encorpado (sarja, algodão) ou molengo (malha de algodão) e soltinho. Evite rendas, transparências, lycra e viscolycra, que agarram no corpo. O corte deve ser levemente acinturado, mas nunca justo ou colado. Os vestidinhos com corte trapézio são uma ótima opção.

Que combinações fogem à "aparência de médico"?
Quebrar o look "branco total" com acessórios de outra cor (mas não muito coloridos) é a solução. Experimente o vestido branco com um lenço de seda colorido no pescoço ou o look calça a camisa com um cinto cru ou bege que tenha uma bela fivela em strass. A mistura de branco com bege é incrivelmente chique.

Que tecidos em branco mais brilhante são sofisticados?
Os tafetás e o shantung de seda. Aplicações em paetês bem sutis na organza são bem vindas.

Existem variações nos tons de branco? Quais são elas?
Existem os brancos mais "sujos" e os off-white, que têm aspecto de gelo, frozzen.

Qual o efeito causado pelos acessórios coloridos num look todo branco?
Tomando por base os acessórios, cintos, sapatos ou sandálias, bolsas, lenços e até relógios e bijoux, temos várias opções:
Look navy ou marinha: acessórios em azul marinho;
Look channel: acessórios em preto;
Look natural: acessórios em bege ou cru.

Evite cores como o amarelo, verde e roxo e aposte sempre nos cintos metalizados.
Que dicas devem ser seguidas para a lingerie não ficar marcada? Optar por calcinhas cor da pele com lateral mais larguinha ou, no caso de calças compridas, o fio dental. Truque: experimente comprar uma lingerie de número maior que a sua, habitual. Como fica maior, ela não forma dobras no corpo.

Como usar branco na praia?
Para quem vai passar o Réveillon na praia, os vestidinhos soltinhos de malha, com ou sem babados, e sandália rasteira com algum detalhe em prata ou ouro. Os macacões com corte anos 70 (cintura baixa e pernas largas, alongando a silhueta), as pantalonas e os vestidos ou blusas com camadas de babados (ambos proibido para as mais cheinhas ou para quem tem seios grandes) são incríveis.

Que combinações são indicadas para festas mais chiques?
Vestidos com tecidos nobres (seda, tafetá ou organza) usados com sandálias de salto alto são imbatíveis e super femininos. Uma bela jóia como um brinco grande e pulseira são fundamentais para compor um visual chique. Evite sempre brincos grandes com colar muito rente ao pescoço, uma combinação que pesa no visual.

Quais os erros mais comuns de quem decide usar tudo branco?
Usar lingerie de outra cor ou lingerie muito apertada que marca. Evite sutiã com alcinha de silicone que é absolutamente deselegante. Msn

segunda-feira, 28 de dezembro de 2009

Conheça mais sobre a Hepatite e saiba como evitá-la.

O drama vivido ao diagnosticar a Hepatite C é compartilhado diariamente por milhares de brasileiros e serve como alerta para a população sobre a gravidade da doença que pode ser prevenida.

O grande problema da hepatite é que ela é uma doença assintomática (que não apresenta sintomas), com exceção dos casos em que o paciente apresenta olhar amarelado e muito cansaço.
A hepatite pode ser causada por cinco vírus diferentes. As do tipo A e E são consideradas benignas e podem ser contraídas através do consumo de alimentos sujos ou água imprópria. Já a do tipo D é típica da região da Amazônia e as B e C são transmitidas por relações sexuais ou com o sangue contaminado.

Os vírus B e C são mais preocupantes porque podem se tornar crônicos e, em alguns casos, levar a morte.

De fato, 10% dos portadores de hepatite B acabam se tornando pacientes crônicos, os números são elevados para 70% nos casos do tipo C. Uma pesquisa realizada recentemente nos Estados Unidos aponta que em 2003 a hepatite crônica será a principal causa de morte entre os norte-americanos. Sabes-se ainda que o vírus da hepatite pode demorar até dez anos para manifestar seus primeiros sintomas.

Por essa razão, os médicos recomendam que todas as pessoas que receberam transfusão de sangue ou entraram em contato com grupos de risco antes de 1992 façam o exame preventivo. A doença tem avançado muito e os números de mortes por hepatite está cada vez maior. Também é importante que as mães façam o exame junto com o pré-natal, porque 5% das mulheres grávidas transmitem a doença para seus filhos.

Tipos da doença.

TIPO A- geralmente ataca mais as crianças. É benigna, tem cura e se transmite através de alimentos sujos.

TIPO B- é um dos casos graves da doença. Na maior parte das vezes é transmitida através de relações sexuais, mas também pode ser contraída pelo contato com sangue contaminado. 70% dos casos se tornam crônicos.

TIPO C- pega-se através do sangue ou de relações sexuais. 30% dos casos se tornam crônicos.

TIPO D- pega-se através do sangue, mas é típico da região da Amazônia.

TIPO E- assim como o tipo A, é considerado benigno, exceto para mulheres grávidas, e se transmite através de alimentos contaminados.

Tratamento

O primeiro passo é procurar um médico especialista que irá indicar a medicação necessária. O tratamento é necessário nos casos de hepatite crônica. Atualmente, esses remédios, que custam aproximadamente mil reais por mês, são doados gratuitamente pelo Ministério da Saúde do Brasil.

O índice de cura chega a 60% incluindo os pacientes que mesmo tendo o vírus não desenvolvem a doença. Mesmo assim os números são assustadores. De cada 100 pessoas contaminadas, 30 se curam sem qualquer tipo de medicação e outros 70% se tornam portadoras crônicas. Destes, 40 terão uma doença leve e o restante tende a desenvolver cirrose hepática.

A cirrose hepática ataca o fígado e chega a "feri-lo" de tal forma que o paciente precisa ser submetido à um transplante de órgão.

O tempo de espera para a operação é de aproximadamente um ano. Em estágios mais avançados, apenas 2% dos que contraem a doença, a hepatite pode levar à um câncer hepático que, na maioria das vezes, é fatal.

Como evitar

1- Procure lavar os alimentos antes de ingeri-los
2- Use preservativos.
3- Use seringas, alicates, barbeadores descartáveis
4- Faça o exame pré-natal.
5- Pessoas que sofreram transfusão de sangue ou mantiveram relações sexuais sem uso de preservativos antes de 1992 devem fazer o exame. Sáude é Vida

DOR ABDOMINAL

O que é?

Dor é uma resposta orgânica de que algo errado está ocorrendo. A dor é, portanto, uma forma de proteção do corpo para que evitemos suas causas ou fatores de piora. Decorre daí que busquemos diminuí-la, por exemplo, através do repouso, do jejum, de analgésicos e de outros tratamentos.

A dor pode ocorrer em qualquer parte do abdome, que é a região do corpo limitada, superiormente, pelo tórax (região dos pulmões e coração) e inferiormente pela pelve (região contida pelos ossos da bacia). O abdome contém um grande número de órgãos e estruturas que podem sediar a dor. São eles: estômago, intestino delgado, intestino grosso (cólon), fígado, pâncreas, vesícula biliar, baço, rins, músculos e ligamentos. Além destes, as dores sentidas como na barriga, podem ter origem na bexiga, órgãos genitais e sistema circulatório (principalmente artérias). Certas dores, como veremos adiante, são características de determinados órgãos; outras, porém, não permitem que se identifique exatamente a origem.

O que se sente?
A melhor explicação para o que se sente é dada por quem está sentindo. As referências aos tipos de dor – queimação, fincada, cólica, pressão, assim como a sua localização, irradiação, intensidade, duração, forma de início, piora e alívio, variam de pessoa para pessoa conforme a sensibilidade (limiar) e a tolerância de cada uma.

É muito comum que dores das mais diversas causas e órgãos de origem comecem no meio da barriga, em torno do umbigo, ou mais acima, na “boca do estômago”. Com o passar do tempo, quando houver agravamento do quadro, a dor irá se localizar na área onde está sua causa.

Nenhum quadro de dor é totalmente específico de uma determinada doença. Mesmo assim, descreveremos algumas dores, procurando relacioná-las a sua causa.

A queimação, a ardência e a dor tipo “sensação de fome” localizadas na boca do estômago, com ou sem azia, estão muito associadas a doenças do esôfago, do estômago ou do duodeno, como Esofagite de Refluxo, Gastrite Aguda e Úlcera Péptica, entre outras. A associação com diminuição da fome, apetite e peso torna necessária a diferenciação com câncer. A confirmação dos diagnósticos costuma vir através de exames complementares. Convém lembrar que doenças do coração – angina do peito e infarto do miocárdio, com alguma freqüência, podem manifestar-se por dor na área superior e central do abdome (ver tópico relacionado à cada doença).

Dores localizadas no quadrante superior direito e logo abaixo das últimas costelas deste lado relacionam-se, muitas vezes, ao fígado ou à vesícula biliar. Dores do tipo cólica, que aumentam rapidamente de intensidade, seguidas de alívio progressivo até que outro episódio ocorra, podem estar relacionadas a cálculos (“pedras”) na vesícula ou nos canais biliares. Dor moderada, mas duradoura, nesta mesma zona, associada à falta de vontade de comer, náusea, icterícia (coloração amarelada das mucosas e da pele), forte escurecimento da urina e branqueamento das fezes são, muitas vezes, causadas por hepatites (inflamações do fígado causadas por viroses e substâncias tóxicas, por exemplo). Pneumonias que atingem a parte inferior do pulmão direito podem ser responsáveis por dor nessa região (ver tópico relacionado a cada doença).

Dor em cólica, no meio da barriga, associada à diarréia, com ou sem vômitos, muitas vezes, é causada por gastrenterites, sejam alimentares (intoxicações) ou infecciosas (ver diarréia aguda). Episódios de dor abdominal, não bem localizada, intensa, num período seguinte e próximo às refeições, particularmente em idosos ou pessoas com doença circulatória, podem ser causados por deficiente irrigação sanguínea (isquemia) intestinal, necessitando de avaliação médica urgente.

Dor localizada na porção inferior direita do abdome que piora com o tempo, tornando-se, muitas vezes, intensa e associada à febre é característica da Apendicite Aguda. Em mulheres, é necessário diferenciar essa dor daquela causada por doenças ginecológicas, como gravidez ectópica ou torção de ovário direito.

A diverticulite causa dor – freqüentemente com febre – na parte inferior esquerda do abdome, pois ali passa o cólon sigmóide (porção do intestino grosso antes do reto), local onde há maior ocorrência dos divertículos. Nessa mesma região, algumas pessoas com constipação (intestino trancado ou preguiçoso), queixam-se de dor. As doenças dos órgãos ginecológicos esquerdos também causam dor nesta região.

Dores na porção superior do abdome, em faixa, com irradiação para as costas, podem ser relacionadas a pancreatites agudas ou a agudizações das pancreatites crônicas. História de consumo freqüente ou excessivo de bebida alcoólica, de cálculos na vesícula biliar ou de episódios dolorosos semelhantes, tornam essas hipóteses diagnósticas bastante prováveis.

Na porção média e posterior do abdome, situam-se os rins. Dor na região lombar, em geral, de um lado só, e que se irradia para frente, associada à ardência para urinar, sugere o diagnóstico de cálculo das vias urinárias associada ou não à infecção urinária, que pode alcançar o rim.

A dor localizada ou difusa e a distensão abdominal associada a um aumento da freqüência de evacuações e alteração na consistência das fezes (diarréia ou constipação) podem ser manifestações da Síndrome do Intestino Irritável (ver tópico específico).

Existem inúmeros tipos de dores, causadas por incontáveis causas para dor abdominal, e, somente avaliando caso por caso, na maioria das vezes, com ajuda de exames, é possível chegar a uma conclusão sobre o quadro.

Como o médico faz o diagnóstico?
A dor, como é uma sensação, não pode ser diretamente medida por outras pessoas, nem pelos médicos. Assim, sua avaliação e compreensão dependem muito da explicação do paciente.

O exame clínico ajuda na busca da causa da dor e na determinação da gravidade do quadro. Exames complementares serão solicitados conforme a suspeita do médico. São comumente solicitados exames de sangue na tentativa de verificar a presença de infecção, de alteração do fígado, do pâncreas ou das vias biliares. Exames de urina são úteis quando há suspeita de dor relacionada à infecção ou a cálculo nas vias urinárias.

Os exames de imagem, apesar de nem sempre imprescindíveis, são importantes na documentação diagnóstica. Geralmente, a ecografia (ultra-sonografia) é a primeira opção. Ela permite uma boa visão dos órgãos da barriga, exceto estômago e intestinos, identificando obstruções biliares ou urinárias, abscessos, tumores, doenças ginecológicas e algumas alterações pancreáticas. O Rx de abdome sem contraste é usado geralmente para diagnóstico ou exclusão de quadros agudos graves, como perfurações e oclusão intestinal. Seguindo a avaliação, poderemos solicitar: tomografia computadorizada, ressonância magnética ou outros exames específicos.

Como se trata?
Assim como o diagnóstico, o tratamento é amplo e variável, dependendo da causa da dor, de sua intensidade e duração. Em casos em que o médico não detecta risco, medicações para o alívio da dor podem ser usadas isoladamente. Em outros casos, além do manejo da dor com remédios, é necessário seguir a investigação da causa. Apesar de todos os recursos diagnósticos, e mesmo após cirurgias, existem casos onde a causa da dor não é descoberta. Nesses casos, depois de afastadas causas mais ameaçadoras à vida do paciente, pode se iniciar um tratamento somente analgésico, mantendo o paciente em observação. Algumas vezes, a dor exige a necessidade de uma cirurgia para o seu alívio.

Como se previne?
Não há um método único para a prevenção da dor e, geralmente, previne-se novos episódios, tratando-se a causa básica, quando reconhecida. ABC Da Sáude

HPV NO HOMEM

Apesar de causar maior estrago nas mulheres, essa família de vírus desaforados não tem preferência sexual. “Nos homens, a contaminação por HPV também é frequente”, conta a epidemiologista Maria do Carmo Costa, do Instituto Nacional do Câncer. Só que, para eles, a higiene é um tanto mais fácil — sem falar que qualquer ferida, por uma questão anatômica, logo salta aos olhos e pode ser tratada depressa.

Entre casais
Como o HPV sabe ser discreto – pode permanecer incubado por um ano e às vezes por período indeterminado –, quando ele aproveita uma brecha do sistema imune para se manifestar fica difícil identificar a ocasião em que foi contraído. Daí, apontar o dedo para o parceiro é a primeira reação. “Já vi casais de separarem por isso”, diz a ginecologista Helena Junqueira, do Hospital Santa Joana, em São Paulo.

Segundo Carmita Abdo, coordenadora do Projeto Sexualidade do Hospital das Clínicas de São Paulo, é essencial que exista um diálogo sincero, sem essa de um culpar o outro. “O importante é que ambos façam o tratamento adequado e ponto”, enfatiza. Revista Sáude

domingo, 27 de dezembro de 2009

Refrigerante e estresse

Beber refrigerantes em excesso pode gerar distúrbios nos jovens.

É o que mostra um estudo feito por cientistas noruegueses . Eles afirmam que o alto índice de ingestão de refrigerantes contendo açúcar, está ligado ao estresse, hiperatividade e distúrbios de conduta nos jovens. O estudo foi feito com quase 5.500 estudantes, na faixa etária dos 15 aos 16 anos, residentes na cidade de Oslo, capital da Noruega. Foi avaliado o estado psicológico dos jovens. Os resultados comprovaram que existe uma ligação direta entre o consumo exagerado de refrigerantes açucarados e a hiperatividade.. Os problemas de conduta são mais graves, entre meninos e meninas, que ingerem quatro ou mais copos da bebida. Boa parte dos refrigerantes não-dietéticos possuem entre 10 e 12% de açúcar em sua composição total. Bem Estar

Emagrecimento depende de atitude

Quem domina, você ou a comida?
Qual a melhor dieta para emagrecer e continuar magro? Essa é uma pergunta muito freqüente. Há quem responda que é a pobre em carboidratos, outros dizem que é aquela com pouca gordura e outros ainda (e eu me coloco entre estes) defendem que é a equilibrada. Sem falar naquelas excêntricas que surgem a toda hora, como a da Lua, do tipo sangüíneo, de Beverly Hills etc. A meu ver, mais importante que o tipo de regime é a postura que a pessoa tem diante do alimento. Para um bom resultado quanto ao peso final (o que significa mantê-lo pelo resto da vida), é necessário controlar o que se põe no prato. Explicando melhor: por uma série de motivos (químicos, hormonais e psíquicos), pessoas com excesso de peso tendem a ser dominadas pela comida. Se elas reparam no que ingerem, emagrecem e mantêm o novo peso. Prova disso é que o simples fato de anotar os itens do cardápio, como costumo recomendar, leva ao emagrecimento. Então, preste atenção no que você come e coma de tudo!

Alfredo Halpern, médico endocrinologista do Hospital das Clínicas de São Paulo, é autor do livro Dieta dos Pontos, lançado por SAÚDE! Vá atrás do seu exemplar! Sáude

Nova técnica de cirurgia cardíaca traz benefícios ao paciente

Trazida da cidade de Leipzig, na Alemanha, centro de referência em desenvolvimento de novas tecnologias para cirurgia cardíaca, a Cirurgia Cardíaca Minimamente Invasiva Videoassistida é utilizada há mais de dez anos na Europa e nos Estados Unidos, mas no Brasil ela foi trazida em 2006.

O diferencial
A técnica aliou a evolução da cirurgia cardíaca com a cirurgia plástica. O acesso ao coração é feito pelo mamilo do paciente, com a mesma técnica utilizada nas cirurgias plásticas. A cicatriz é mínima e o procedimento é inédito no mundo. Cerca de 200 pessoas, entre homens e mulheres, já se beneficiaram com o novo método.

Como é feita?
É feito um pequeno corte de cerca de 4 centímetros na região do mamilo e uma microcâmera é utilizada para visualizar e até mesmo restaurar o coração do paciente. Com o auxílio de instrumentos especiais, essa técnica permite uma melhor visualização do órgão, pois o coração é visto de forma ampliada e com maior nitidez através de um vídeo.


Benefícios
- Redução do tempo de internação
- Recuperação mais rápida
- Menores riscos de hemorragias, arritmias e infecções
- Ganho estético

Quem pode operar?
A Cirurgia Cardíaca Minimamente Invasiva Videoassistida pode ser realizada em pacientes com problemas das válvulas cardíacas, arritmias e algumas cardiopatias congênitas, além de casos selecionados de insuficiência coronariana que necessitam de pontes de safena. Msn

Dicas para a saúde das crianças nas férias de verão

Com a chegada das férias e do verão, a rotina das crianças muda, seja na alimentação ou no tempo em que passam expostas a atividades ao ar livre. Para ajudar você a prevenir contratempos, selecionamos abaixo alguns cuidados que é preciso ter nesta época em que problemas como insolação e desidratação podem atrapalhar os dias de diversão da criançada.

Exposição solar: A criança deve evitar o sol entre 10h e 16h, e sempre usar protetor, que precisa ser passado meia hora antes da exposição solar. Repita o procedimento a cada duas horas. E não esqueça: dias nublados também merecem proteção. Chapéus e bonés devem fazer parte do kit.

Picadas de insetos: São muito comuns no verão. Atenção aos cuidados com as crianças, principalmente por volta das 16h. Bons recursos para evitá-los na sua casa são repelentes elétricos e aqueles específicos para passar na pele da criança. Só verifique antes com o pediatra se o seu filho pode usar.

Hidratação: Não espere seu filho pedir líquidos. Ofereça regularmente sucos, chás, água de coco. “Quando a criança pede água, em geral, é sinal de que algo não está bem”, diz Jorge Huberman, neonatologista e pediatra do Hospital Albert Einstein (SP). A diarréia também merece atenção, porque pode desidratar rapidamente a criança: para evitá-la, lave as mãos depois de usar o banheiro e antes de preparar alimentos. Frutas, legumes e verduras devem ser lavados com água filtrada. Atenção ainda com a roupa que elas usam: o ideal são as de algodão. Escolha peças mais leves.

Os sinais clássicos de desidratação são lábios e língua secos, falta de elasticidade da pele e diminuição da urina. Se a criança apresentar esses sintomas já comece a hidratação em casa, antes mesmo de chegar ao pediatra. A velha receita do soro caseiro (1 copo de água para 1 colher (sopa) de açúcar e 1 colher (sobremesa de sal) é fácil de fazer em qualquer lugar.

Alimentação: Com o calor, as comidas estragam rapidamente, por isso não compre alimentos prontos para o seu filho fora de casa ou na praia. Você não sabe como e quando eles foram preparados e conservados. As crianças devem evitar frituras, gorduras e consumir mais legumes, grelhados e frutas, em especial aquelas hidratantes, como melancia, melão, pêra, maçã. Vômito, diarréia e apatia são características de intoxicação alimentar.

Acidentes: Com o calor, a criançada fica mais tempo na água do mar ou da piscina. E os pais devem redobrar a atenção. Nunca deixe a criança sozinha perto de piscinas ou do mar e não se esqueça das bóias. Outros acidentes mais comuns no verão são com bicicleta e patins. O kit com capacete, joelheira e cotoveleira deve sempre fazer parte da brincadeira.

Ouvido: Se quiser tampar o ouvido do seu filho para não entrar água da piscina ou do mar, coloque um chumaço de algodão embebido em óleo (pode ser até o de cozinha mesmo) ou use tampões. Mas, caso a criança reclame de que tem água no ouvido, pingue de 2 a 3 gotas de álcool a 70% (o mesmo usado para limpar o umbigo do recém-nascido), que tem efeito secativo. Se reclamar de dor, é hora de ir ao médico.

Olhos: A areia da praia, o sal do mar e o cloro da piscina podem irritar o olho da criança. Inchaço, vermelhidão e secreção sugerem uma conjuntivite, que mesmo não comum nesta época do ano, pode aparecer. O melhor é lavar os olhos com água fervida e fria e procurar um especialista. Crescer

sábado, 26 de dezembro de 2009

Ai, que preguiça!

Quem nunca se rendeu a momentos de moleza? Não faz mal curtir um pouco de ócio, mas é preciso cuidar para que não vire um hábito.

O que ela é?

A definição mais simples de preguiça é: quando alguém que tem condições físicas de realizar tarefas prefere ficar sem fazer nada por longos períodos. Por isso mesmo, chamar uma pessoa de preguiçosa chega a ser ofensivo. Mas há muitos fatores escondidos atrás de tal indisposição. Ela pode ser sintoma de depressão, uma vez que a apatia - vontade de se desligar do mundo e perda da disposição para qualquer atividade - é facilmente confundida com a preguiça. Além disso, apneia do sono, anemia, insônia e hipotireoidismo podem estar camufladas pela moleza.

Cada um tem seu ritmo:

As pessoas são diferentes e reagem diante das situações conforme a própria personalidade. Por isso, se sua amiga demora para pegar no tranco de manhã, por exemplo, não significa que ela seja preguiçosa. "Cada ser humano tem um ritmo. São traços que a gente não modifica", diz Alfredo Salim Helito, clínico-geral do Hospital Sírio-Libanês. Agora, quando o comportamento de alguém muda - seja a pessoa calma ou agitada , aí, sim, pode haver a preguiça. "Alguns exemplos são falta de vontade de fazer qualquer coisa, perda de concentração, sono ou estresse", diz ele. Mdemulher

Respire fundo e viva melhor

Você sabia que inspirar e expirar bem ar pode melhorar e muito sua vida? Aprenda a respirar do modo correto.

Quantas vezes por dia você percebe que está respirando? O movimento - sempre involuntário, a não ser quando você decide controlá-lo - faz mais que enviar oxigênio aos pulmões: quando não ocorre do jeito certo, é um aviso sobre doenças - uma alergia, por exemplo. Mas, mesmo quando tudo parece ok, podemos não estar respirando direito: "A maneira como a pessoa se acostumou a respirar e o estresse influenciam o movimento", diz o fisioterapeuta Alexandre Dias Gabriel, da clínica Physio Center Barra. Veja como respirar bem pode melhorar sua vida. Mdemulher

Compulsão na infância

Idéias fixas, pensamentos ou atos repetitivos, rituais para afazeres simples. Todos esses comportamentos são característicos do Transtorno Obsessivo Compulsivo, um distúrbio mental que pode ser diagnosticado diante da constatação de manias persistentes, tiques ou pensamentos recorrentes. Na infância, esses comportamentos comumente passam desapercebidos, ao serem confundidos com atitudes naturais da infância ou pela dificuldade da verbalização das crianças.

De acordo com estudos (como o publicado por Snider e Sweedo em 2003), obsessões por limpeza representam quase 40% dessas obsessões e lavar as mãos, 85% dos sintomas de compulsão, seguidos de subir e descer escadas e fechar repetidamente as portas. A lista de manias relacionadas à contaminação e limpeza é dominante na maioria dos casos, confirma a psiquiatra Ana Hounie, vice-coordenadora do PROTOC (grupo do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP, que pesquisa e oferece tratamento para quem sofre do transtorno).

No caso das crianças, o desafio maior é a detecção precoce. Assim, se recomenda que os pais observem nas crianças o desenvolvimento de hábitos repetitivos, lesões na pele (causados por hábitos de higiene excessiva) ou procurar pistas nos afazeres escolares (compulsões em refazer a lição, por exemplo, apagando e reescrevendo as respostas). As crianças tendem a esconder alguns desses hábitos dos adultos ou professores e somente criticá-las pode ser mais prejudicial. Uol Sáude

Labirintite: como enfrentar crises de tontura

A tontura é uma sensação muito comum para quem sofre de labirintite. Esse é um problema que afeta o labirinto, uma região que fica dentro do ouvido e é essencial ao equilíbrio do nosso corpo.

O otorrinolaringologista Ricardo Testa, de São Paulo, explica que esse pequeno órgão pode entrar em colapso por diversos motivos. "Na maioria dos casos, a labirintite está relacionada a diabetes, problemas vasculares, disfunções hormonais e tumores", diz. A boa notícia é que, com o tratamento adequado, dá pra controlar a doença.


Aprenda a controlar a doença
1. Procure eliminar o cigarro, a cafeína e o álcool.
2. Não fique muito tempo em jejum. Então, cuidado com as dietas radicais. Alimente-se a cada três horas.
3. Aumente a ingestão de água: beba pelo menos seis copos por dia.
4. Repouse, mas sem exageros. Caminhe meia hora por dia.
5. Evite os sucos de fruta industrializados.


Dúvidas sobre labirintite
Como é o tratamento da doença?
Depende da causa. Nem todas as tonturas se originam de um distúrbio no labirinto. Às vezes, o problema está no cérebro, mas a maioria delas está realmente relacionada ao ouvido. Depois de diagnosticada, a doença pode ser tratada com medicamentos tomados via oral ou com exercícios feitos em casa, para reposicionar o labirinto.

Quais as consequências da labirintite?
No caso das crianças, a doença pode causar mau rendimento escolar. Nos idosos, uma consequência grave são as quedas. "Como eles têm uma estrutura física mais frágil, aumenta o risco de quebrar ossos", diz Testa.

Em quais situações a labirintite piora?
Sem receber tratamento adequado, a pessoa corre o risco de ficar incapacitada. A doença pode evoluir para um quadro mais grave, como a síndrome de Ménière, uma versão mais potente da labirintite. "Nesses casos, pode ser necessário fazer uma cirurgia", afirma o médico.

O que fazer durante uma crise?
Vá para um lugar ventilado e não se deite. Fique sentada, de olhos abertos, olhando para um ponto fixo na parede. Assim que a tontura melhorar, procure um médico. E lembre-se: labirintite não causa desmaios.

Como socorrer alguém com labirintite?
Coloque-o sentado e nunca dê estimulantes, como refrigerante e café, nem coloque sal debaixo da língua. Jamais dê qualquer medicamento, pois isso pode prejudicar o doente. Se a crise persistir, leve-o ao hospital.

SITE ANA MARIA

Testosterona influencia diretamente na saúde geral do homem

Diversos estudos têm demonstrado que a queda das taxas de testosterona no organismo masculino associada ao avanço da idade está ligada também a males crônicos, especialmente àqueles que representam alto risco para o desenvolvimento de doenças metabólicas e cardiovasculares: diabetes tipo 2, obesidade, hipertensão e dislipidemia (colesterol alto).

Esse fenômeno, conhecido como Distúrbio Androgênico do Envelhecimento Masculino (DAEM) – também chamado de hipogonadismo – tem prevalência de 20% a 35% entre a população masculina com mais de 40 anos.

O problema pode acarretar sintomas psicológicos como depressão, irritabilidade e dificuldade de concentração, além da possibilidade de agravar doenças crônicas como obesidade e hipertensão arterial, além de aumentar o risco cardiovascular.

“A população está envelhecendo rapidamente, sendo que daqui a 10 anos teremos mais de 30 milhões de pessoas com mais 60 anos no Brasil. Diante disso, algumas doenças que estão vinculadas ao DAEM terão a incidência aumentada”, explica Ernani Luis Rhoden, urologista e pesquisador ligado à Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre (UFCSRS).

“Por isso, a relação entre níveis de testosterona no organismo masculino e o aumento do risco cardiovascular e de morte vem sendo amplamente estudada”, completa o urologista.

A introdução de um tratamento específico para normalizar os níveis de testosterona em homens que apresentam queda das taxas desse hormônio no organismo é recente. Mas, de acordo com especialistas, é importante manter as taxas hormonais em dia. “A testosterona atua para diminuir a gordura corporal, reduzir o risco de osteoporose, melhorar o desempenho intelectual e a função sexual do homem”, diz Rhoden.

Sintomas são diversos e ajuda do médico é essencial para identificar a síndrome:

Níveis baixos do principal hormônio masculino estão relacionados com o surgimento de sintomas semelhantes aos da menopausa feminina e ao agravamento do quadro de síndrome metabólica.

Os níveis de testosterona variam entre os homens. Em geral, os níveis desse hormônio diminuem anualmente 1% após os 30 anos. Por volta dos 70 anos essa diminuição chega ao 50% dos níveis originais.

É importante procurar um médico antes de atribuir esse decréscimo à idade. Várias condições clínicas (como apnéia do sono) podem contribuir para a variação dos níveis de testosterona.

Fique atento a alguns sintomas da diminuição desse hormônio, observando: disfunções sexuais, mudanças no padrão de sono, problemas físicos (menor resistência muscular ou problemas nos ossos) e alterações emocionais (sentir-se triste ou deprimido com maior frequência). Bem Estar

Dentistas respondem suas dúvidas

É importante usar um antisséptico para enxaguar e bochechar?
Os antissépticos são eficazes para quem tem mau hálito, porque combatem as bactérias. Mas eles não substituem a escova e o fio dental. Evite produtos com álcool na fórmula e os muito coloridos. Eles podem escurecer os dentes.

Existe uma pasta de dente ideal?
Não existe fórmula perfeita. O creme dental precisa ter gosto agradável e não pode causar enjoo. Se tiver dentes sensíveis, tártaro, enjoo contínuo ou sangramento, fale com seu dentista.

Quantas vezes por dia devo escovar os meus dentes?
Sempre depois das refeições. Para sentir se precisa de mais escovações, passe a língua nos dentes: se ela deslizar, é sinal de que eles estão limpos. Se os dentes estiverem ásperos, há acúmulo de placa bacteriana e é hora de escovar de novo.

Quanto tempo deve durar uma boa escovação?
Uma boa escovação deve durar, em média, nove minutos. Para cuidar de todos os detalhes, curvas e entradinhas dos dentes, esse tempo é o suficiente.

Quando é a hora certa de trocar a escova de dente?
Ela deve ser trocada a cada três meses. "O ideal mesmo é substituí-la todos os meses. Recomendo colocar a escova de dente na lista mensal de compras de supermercado", ensina a dentista Sandra Gontijo, do Rio de Janeiro.
MDEMULHER

Confira os melhores truques para evitar o mal-estar do dia seguinte, caso você exagere na bebida

O que é a ressaca?
Mal-estar causado pelo excesso de bebida no organismo, que desidrata as células do sistema nervoso central. O fígado também sofre, pois pode desenvolver hepatite alcoólica aguda.

Sintomas
Forte dor de cabeça, enjôo, dor muscular e tontura.

Como evitar
1. Não beba sem forrar o estômago. Além de piorar os sintomas da ressaca, o corpo desidrata, pois o álcool potencializa a vontade de urinar, aumentando a eliminação de líquidos do organismo.
2. Tome alguns goles de qualquer líquido sem álcool enquanto bebe. Vale água, água-de-coco, sucos e até refrigerante.

3. Não misture bebidas diferentes. Também não adianta ingerir algo com teor alcoólico mais leve, porém, em grande quantidade. Entre vinho e cerveja, por exemplo, não importa qual seja a sua escolha, o que vale mesmo é beber pouco. Algumas pessoas são mais sensíveis às destiladas, como pinga e vodca. Outras reagem pior às fermentadas, como cerveja, sidra e vinho. Antes de decidir o que beber, lembre-se das reações do seu corpo nos anos anteriores.

4. Fuja da dupla cigarro e álcool. Juntos, os dois vícios aumentam a absorção da nicotina pelo organismo. O resultado? Uma ressaca potencializada. Se ainda não é forte o bastante para resistir, escolha apenas um entre esses dois inimigos da saúde.

5. No dia seguinte à bebedeira, evite lugares quentes e barulhentos, pois a dor de cabeça pode piorar. Não precisa ficar na cama o tempo inteiro, mas nada de ginástica ou caminhadas longas. Ao se alimentar, prefira líquidos ou algo semipastoso, como sopa e purê de batatas. Invista também em frango sem muito tempero e frutas ricas em sódio, potássio e magnésio, como pêra e banana.

VIVA! MAIS

sexta-feira, 25 de dezembro de 2009

Herpes genital

O que é?
Infecção recorrente (vem, melhora e volta) causada por um grupo de vírus. É transmitida, na maioria das vezes, por relação sexual, mas também pode ser transmitida por roupas íntimas, toalhas etc.
Como identificar?
Lesões em forma de pequenas bolhas agrupadas que, em 4-5 dias, se transformam em feridas, e que cicatrizam-se espontaneamente. As lesões são muito dolorosas e precedidas por vermelhidão local.

Tratamentos:
Ainda não existe tratamento eficaz para curar o herpes, apenas para diminuir os efeitos e a freqüência das crises.

Período de Incubação:
Indeterminado

Complicações/Conseqüências:
Aborto espontâneo, parto prematuro, infecções nos órgãos genitais e no aparelho urinário.

Prevenção:
Uso da camisinha.
Terra Sáude

O que você precisa saber sobre trasntornos alimentares

A preocupação exagerada com a imagem pode levar a distúrbios como bulimia e anorexia, situações que geram compulsão ou rejeição à comida e causam, sempre, muito sofrimento.

A mania de trocar um prato de comida por um copo de bebida como certa personagem de novela anda fazendo na TV está entre as mais recentes manifestações de transtorno alimentar – ou de doença ligada a ele. Os especialistas acreditam que uma predisposição genética somada a fatores diversos, como a ditadura do “quanto mais magro, melhor”, são alguns dos gatilhos desse tipo de distúrbio, que geralmente não dá as caras sozinho: um quadro depressivo geralmente acompanha 70% dos casos. Em tese, problemas com o cardápio têm se firmado como sintomas de uma sociedade rigorosamente focada na aparência e perfeição.

Nos últimos tempos, os distúrbios até então restritos a mulheres – que sempre carregaram o fardo de ser belas a qualquer custo e agora de ser belas e bem-sucedidas – arrebatam também o sexo oposto. De acordo com a instituição norte-americana National Association of Anorexia Nervosa and Associated Eating Disorders (Anad), uma entre dez vítimas é do sexo masculino, o que significa centenas de milhares de homens. Tais evidências pedem um tratamento que combine áreas da psiquiatria, psicoterapia, endocrinologia e nutrição e, se necessário, o uso de antidepressivos. Saiba mais sobre os transtornos alimentares e suas novas versões:


ANOREXIA
O horror ao peso e a obsessão por emagrecer são ideias fixas de quem padece com esse distúrbio. Mesmo vendo-se esquelética diante do espelho, a pessoa não se sente suficientemente magra. Atletas, que precisam estar em forma para competições, e atrizes e modelos, cuja imagem é o cartão de visita, são exemplos de perfis vulneráveis. Mas a doença é ainda um estigma entre muitas mulheres a partir dos 15 anos de idade. Elas fazem longos jejuns, exercitam-se sem parar, restringem sua alimentação a alface e grãos e, num ataque súbito de fome, comem além da conta para depois eliminar o que engoliram com vômitos forçados ou laxantes. Esse caso específico se refere ao tipo mais comum do problema, a chamada anorexia bulímica.

Já na sua outra versão, a anorexia restritiva, a pessoa vive à base de poucas calorias e água, mas sem ataques de compulsão. Estágios avançados da doença causam desnutrição, com perda média de 15 quilos, queda de cabelos e falha de no mínimo três períodos menstruais. No final das contas, a carência de nutrientes é tamanha que os ossos da anoréxica ficam fragilizados, quase à mercê de um quadro de osteoporose. Segundo a psiquiatra Angélica Claudino Azevedo, coordenadora do Programa de Orientação e Assistência aos Transtornos Alimentares da Universidade Federal de São Paulo (Proata/Unifesp), a família é essencial no tratamento. “Sozinhas, as pacientes não se dão conta da dimensão do problema”, alerta. As estatísticas revelam que 20% dos casos de anorexia sem tratamento acabam em morte – um número assustador.

BULIMIA
As vítimas preferenciais desse transtorno alimentar têm por volta de 20 anos e elas até toleram uma protuberância aqui e acolá na região do abdômen. “Existe entre elas maior aceitação de uma forma física dentro da normalidade”, explica Angélica. No entanto, é mais difícil diagnosticar o problema nessas jovens. A razão é simples: elas são capazes de engolir 3 mil calorias em poucos minutos praticamente sem mastigar para, logo em seguida, correrem para o banheiro e vomitarem tudo. Em outras palavras, a bulimia é um transtorno que acontece entre quatro paredes. Por esse motivo, ela acaba se tornando uma doença crônica. “Como se sentem bastante envergonhadas e culpadas com sua falta de controle, é comum essas pacientes demorarem a procurar ajuda. Fazem isso apenas depois de quatro ou cinco anos”, diz Maria Angélica, do Geata.

Um dos indícios de que a pessoa está doente é o fato de ela comer sempre muito bem – os exageros costumam acontecer mais às escondidas – e nunca engordar. Outra pista são os rastros de comida, laxantes e remédios emagrecedores que ficam pela casa. E, acima de tudo, o fato de ir ao banheiro repetidas vezes durante ou após a refeição, além de exagerar nos exercícios físicos. As consequências quase sempre ficam restritas à doente – sem delatá-la –, como inflamações constantes na garganta, alterações no esmalte dos dentes causadas pelo ácido estomacal vindo à tona com o vômito, mau hálito, alterações intestinais e renais causadas pelo uso abusivo de laxantes e diuréticos, além de problemas cardíacos. “O tratamento pode levar dois anos ou, dependendo do caso, exigir um acompanhamento prolongado por tempo indeterminado”, afirma o psiquiatra Alexandre Azevedo, do Ambulatório de Bulimia e Transtornos Alimentares (Ambulim), do Hospital das Clínicas de São Paulo.

DRUNKOREXIA
O apelido popular vem da união do inglês drunk, “embriagado”, com o grego orexis, “apetite”. No Brasil, o transtorno também tem sido chamado de alcoorexia. Não importa a nomenclatura: o que está em jogo é o uso da bebida alcoólica como um subterfúgio para não engordar. “A drunkorexia pode se tratar de um quadro típico de anorexia, que engloba o desejo de perder cada vez mais peso, associado à dependência do álcool para obter saciedade ou até mesmo anestesiar o sofrimento”, diz o psiquiatra Alexandre Azevedo, do Ambulatório de Bulimia e Transtornos Alimentares (Ambulim), do Hospital das Clínicas de São Paulo.

Embora o consumo do álcool e de outras drogas seja comum em 30% dos casos de transtornos alimentares, na drunkorexia a bebida ganha muito mais ênfase. “Nesse caso, não existe compulsão por comida, e sim por álcool, que fornece calorias”, diz a psiquiatra Maria Angélica Nunes, do Grupo de Estudo e Assistência em Transtornos Alimentares (Geata), em Porto Alegre. Por isso, deve-se tratar também a dependência alcoólica. Desnutrição, interrupção dos ciclos menstruais, osteoporose precoce e problemas no fígado são algumas das graves consequências da doença. Sáude é Vital

quinta-feira, 24 de dezembro de 2009

Ilumine seus cabelos sem danos

A mulher atual não quer ter muito trabalho com seus cabelos. Ela busca soluções práticas de grande efeito e rápidas, que evitem inclusive a visita ao salão a cada 3 semanas ou até a cada 1 mês e meio para retoques nas mechas, luzes, brilhos, etc...

A técnica, muito utilizada, de luzes com papel deixa os cabelos muito marcados, com listras definidas, perdendo a naturalidade. Muitas vezes preto com branco (dando o aspecto de zebra ou ainda com aspecto envelhecido, ou mechas muito próximas, longe de uma composição harmoniosa).

As toucas são um desconforto na colocação, puxada de fios e retirada (inclusive a touca pode causar lesões no couro cabeludo e fios). Esta técnica pode levar a cabelos com três cores desconectadas. Normalmente a raiz fica mais clara o meio e as pontas mais escuras. O efeito não fica natural. Perde-se muito tempo e o resultado não é o esperado.
Para que as leitoras entendam sobre a constituição dos cabelos:

O cabelo tem três massas: raiz grossa, meio médio e pontas finas. Por isso as mechas ficam mais claras na raiz, o complemento escurecendo e nas pontas mais escuro ainda...

Por não ter a mesma massa da raiz. O que fazer???
Sugiro, como faço em meus salões: Vamos inverter a técnica: Pontas mais claras e raízes mais escuras. Essa técnica deixa os cabelos iluminados naturalmente, sempre buscando de 2 a 3 tons mais claros que o tom atual da cliente e dos tons de cores que existem. Esta técnica permite que o retoque aconteça apenas a 4 cada meses ufa... que ótima solução!!!

Passo a passo da técnica sugerida:

1º. Escolha na cartela de cores o tom mais claro desejado a ser aplicado;

2º. Divida o cabelo no formado de aspiral, na grossura de 4 cm aproximadamente, começando pela frente e terminando na nuca.

3º. Apoie sua nuca no encosto da cadeira, de modo que você consiga soltar as mechas para aplicar a coloração;

4º. Solte mecha a mecha a partir da nuca. Faça aplicação da coloração em cada mecha, com as mãos protegidas por luvas. As mãos deverão estar espalmadas, concentrando mais coloração nas pontas e levemente próximo à raiz, dando um ar natural, com pontas mais claras, sem marcar os cabelos.

5º. Após o processo de aplicação, geralmente um tempo de pausa de 10 a 30 minutos, conforme a cor desejada.

6º. Após o processo, lave os cabelos, condicione e ele estará pronto para uma escova.

Dica Especial
Para tons claros ou loiros, use um shampoo silver (prata) para combater tons amarelados; Para tons escuros, shampoo convencional, sem sal. Minha Saúde

Como cuidar da pele da criança no verão

Crianças adoram dias de calor – elas vão a parques, piscinas e molham os pés na água do mar mesmo ainda bem pequenas. Mas a vigilância dos pais precisa ser grande porque a pele dos mais novos é bastante sensível e suscetível a doenças. Para você e sua família não perderem os dias de verão, fizemos uma parceria exclusiva com a Sociedade Brasileira de Dermatologia e trouxemos as últimas novidades e os melhores cuidados que você deve ter com a pele do seu filho. Saiba como evitar os cinco vilões da estação mais esperada do ano.

1. A PRAIA
É bem na beirinha do mar, justamente onde as crianças mais gostam de brincar quando vão à praia, que fica uma das maiores ameaças à pele delas no verão: as águas-vivas. No último verão, esses animais invadiram o litoral brasileiro e se tornaram uma nova preocupação para os pais. Centenas de casos de queimaduras foram registrados no país e boa parte envolveu crianças. Apenas em Santa Catarina, pelo menos 50% dos acidentes registrados em janeiro atingiram os pequenos. O estado catarinense ao lado de São Paulo, Rio Grande do Sul, Paraná e Espírito Santo foram os mais afetados.

As águas-vivas são animais aquáticos que liberam substâncias altamente irritantes quando entram em contato com algo. No último verão, chegaram à beira-mar por uma série de motivos ainda em estudo, que vão desde o aquecimento global até o aumento de turistas nas praias. A expectativa dos biólogos é que neste ano o problema continue.

Se alguém for atacado, deixe a parte em que os tentáculos estão presos embaixo da água do mar para se afrouxarem – ao tentar tirá-los, a quantidade de veneno será maior, assim como a dor. Banhe o local com água salgada ou jogue vinagre para neutralizar o veneno, assim as vesículas com a toxina não se rompem. Procure um médico, que prescreverá antiinflamatório e analgésico. A dor deve melhorar em algumas horas. Se o caso for grave, vá ao pronto-socorro imediatamente.

Outro inconveniente das praias para a pele do seu filho são os bichos geográficos. A única maneira de evitá-los é freqüentar areias em que cachorros e gatos sejam proibidos, porque eles são encontrados nas fezes desses animais. A regra deveria valer para toda a costa brasileira, o problema é que nem sempre é assim. Outra opção é andar de chinelos, mas além de não ser tão gostoso quanto caminhar descalço, na hora de correr para o mar não tem jeito: os pés estarão sem proteção. Quanto à areia, fique tranqüilo. Ela não vai causar alergia. Se a pele da criança for sensível e ficar irritada, jogue água doce no corpo dela, enxugue-a e deixe-a sobre uma canga ou toalha.

2. A PISCINA
Que criança resiste a um mergulho na piscina? Aquecida ou ao ar livre, é preciso cuidado ao freqüentá-la com seus filhos. Se ela não recebe tratamento de limpeza adequado pode causar doenças de pele, principalmente nas crianças. Uma das responsáveis seria a bactéria Pseudomonas aeruginosa, presente na água e transmissível ao toque, segundo pesquisa norte-americana. Ela deixa as unhas esverdeadas. Neste ano, seis bebês morreram nos Estados Unidos vítimas dessa bactéria. Descobriu-se que as enfermeiras da maternidade usavam unhas postiças e a bactéria estava ali. Por isso, o cuidado tem de ser também com quem cuida do bebê, sejam os pais, os avós ou a babá. Alguns sinais que podem o ajudar a escolher uma piscina livre de riscos são a cor e o odor da água. Se ela for escura e tiver cheiro ruim, fique longe. Conhecer o ambiente, pedir informações para quem o freqüenta e verificar como o tratamento da água é feito podem ajudá-lo, principalmente quando você viaja com as crianças para um local novo. Outro perigo – este sim mais freqüente – são as frieiras, um tipo de micose que atinge mais os pés. Se a água do lava-pés ou da piscina não é tratada e trocada com freqüência, a criança pode desenvolvê-las. O tratamento é feito com soluções tópicas ou remédios, sempre com indicação médica.

No caso da água das piscinas, o excesso de cuidado também pode ser prejudicial, por mais contraditória que essa informação pareça. O cloro, assim como as outras substâncias usadas no tratamento da água, pode provocar ressecamento da pele e até alergias em pessoas sensíveis ou que tenham a pele muito seca. Se seu filho é alérgico ao cloro, procure locais que não utilizem o produto, como piscinas salinizadas, que deixam a pele mais hidratada. Caso não tenha opção, deixe a criança na água com cloro por períodos curtos, leve-a para tomar uma ducha em seguida e passe hidratante pós-sol. Como não existe um produto específico para os cabelos das crianças que os proteja do sol e da água, aplique um pouco de condicionador nas pontas dos fios após o banho se você notar que ressecaram. Revista Crescer

quarta-feira, 23 de dezembro de 2009

FELIZ NATAL

Mensagens Para Orkut - MensagensMagicas.com

Que nesse Natal enchemos nossos corações de alegria amor e paz e que possamos transmitir nossa fraternidade,para que seja um natal harmonioso e de muitas felicidades e que Jesus Ilumine esse dia tão especial...
São os votos da Equipe que faz o Programa Saúde e Bem Estar na Radio Educadora de Sobral.

Bolo de Natal

Ingredientes:

.1 e 1/2 xícara (chá) de farinha de trigo integral
.1 e 1/2 xícara (chá) de farinha de trigo com fermento
.2 colheres (chá) de especiarias sortidas (cravo, canela, noz-moscada, coentro em pó e cardamomo)
.2 colheres (sopa) de purê de maçã (pode usar a papinha para bebê)
.2 colheres (sopa) de geléia de damasco
.90 g de mel
.30 g de melado
.3/4 de xícara (chá) de óleo
.3/4 de xícara (chá) de suco de laranja
.2 ovos batidos
.700 g de frutas cristalizadas picadas

Decoração:
.80 g de cerejas em calda verdes cortadas ao meio
.80 g de cerejas em calda vermelhas cortadas ao meio
.90 g de amêndoas sem pele

Modo de preparo:
Forre com papel-manteiga uma fôrma redonda de 20 cm, unte-a e reserve. Misture as farinhas em uma tigela e junte as especiarias. Reserve. À parte, misture o purê de maçã e a geléia de damasco com o mel e o melado e incorpore-os à farinha. Acrescente o óleo, o suco de laranja, os ovos e as frutas cristalizadas. Mexa com uma colher de pau até ficar homogêneo. Despeje na fôrma preparada e alise a superfície com uma faca. Disponha as cerejas e as amêndoas alternadas em toda a superfície e asse em forno médio preaquecido até que, enfiando um palito, ele saia limpo. Desenforme e retire o papel depois de frio. Embale com papel celofane e decore com fitas natalinas.

Dica:
Prazo de validade: 20 dias guardado em local fresco e em latas hermeticamente fechadas.


ANA MARIA

Fique maquiada por mais tempo! 15 truques para que o visual dure o dia todo

Prepare bem a pele
1. Faça uma esfoliação
Laine Fávaro, esteticista do Kyron Spa, em São Paulo, ensina uma receita caseira para diminuir a oleosidade. Misture 2 cols. (sopa) de suco de limão, 1 col. (sopa) de açúcar e um pouco de sabonete líquido. Aplique na face com movimentos circulares suaves, para remover as células mortas. Enxágue bem com água morna, pois o limão sob o sol mancha a pele.

2. Feche os poros
Enrole uma pedrinha de gelo em um pedaço de gaze e passe no rosto. Com a pele fresca, os poros se fecham e a maquiagem fixa mais. Você também pode usar um algodão para passar soro fisiológico geladinho. Fica muito bom.

3. Limpe bem a pele
Para conseguir esse efeito, use um hidratante leve, que não engordura. É o que aconselha o maquiador Marcos Costa, de São Paulo.

4. Fixe a base
O truque para aumentar a fixação da base é acrescentar nela algumas gotas de protetor solar oil-free (sem óleo).

5. Vá de blush líquido
Ele tem boa fixação porque funciona como se tingisse a pele. Aplique-o dando batidinhas com o dedo.

6. Tenha lenços à mão
Leve na bolsa um lenço para remover a oleosidade sem tirar a maquiagem. Pressione-o sobre a pele sempre que precisar.

Cuidado com os olhos
7. Sombra
Antes de passá-la, preencha a pálpebra com base ou corretivo no tom da pele.

8. Sombra em creme
As que são à base de água devem ser aplicadas com o dedo em suaves batidinhas. Têm uma fixação excelente.

9. Sombra em pó
Use com pincel úmido para deixar o pigmento vivo.

10. Lápis
As melhores versões são à prova d'água, pois não borram. Nada pior do que terminar o dia com aquelas manchas feias escorridas, que mais parecem olheiras - ou descuido total!

11. Máscara de cílios
Dê preferência às que são à prova d'água, que duram muito mais tempo.

Gloss ou batom?
12. Aplique o batom com pincel e tire o excesso usando um papel. Passe pó compacto e mais batom.
14. Use batom vermelho e contorne com lápis de boca.
13. Gloss dura menos na boca do que o batom, mas é muito mais prático.
15. Batons cremosos costumam ter pouca aderência. Evite-os.

5 pecados da mãe de filho único

1. Não impor regras e deixá-lo fazer tudo
Solução - Converse com ele e estipule as regras da casa. Importante: nunca quebre uma regra! Se fizer isso uma vez, ele vai querer sempre.

2. Ser sempre disponível
Solução - Ele precisa aprender que você não pode parar tudo só para atendê-lo. Se estiver em uma tarefa importante, mande-o esperar um pouquinho. Explique, com carinho, que nem tudo pode ser feito na hora que ele quer.

3. Nunca repreender
Solução - Aprenda a dizer não. Quando perceber que ele quebrou uma regra, repreenda-o. É melhor que seu filho saiba lidar com respostas negativas desde pequeno.

4. Fazer tarefas por ele
Solução - Evite servi-lo o tempo todo. É importante que ele tenha tarefas para realizar sozinho. Assim, ele não vai se tornar uma criança completamente dependente de você.

5. Voltar atrás numa decisão
Solução - Se você falou não, é não. Se ele fizer manha e você mudar de atitude toda hora, vai perder a autoridade sobre seu filho.
MDEMULHER

5 coisas que você deve saber sobre Compras Compulsivas

O que são as ‘Compras Compulsivas’?
É um excesso de preocupações e desejos relacionados ao comprar. A pessoa que compra compulsivamente apresenta um comportamento de descontrole com relação às compras e ao gasto de dinheiro. Compra para lidar melhor com as próprias emoções. Por exemplo, se está triste vai comprar para ficar feliz, se tem uma reunião no trabalho vai comprar uma roupa nova, ou seja, há sempre uma justificativa para ir às compras. Dessa forma, tenta mascarar seus sentimentos verdadeiros (tristeza, raiva, ansiedade etc.) com o prazer que sente ao comprar.

Como essas pessoas compram muito, costumam mentir sobre o que compram, quando compram, quanto gastaram, pois tem sempre alguém dizendo que estão gastando demais. Algumas vezes podem chegar a roubar, falsificar assinatura de cheque ou cartão para conseguir crédito para comprar. Muitas vezes tentam controlar seus gastos, diminuir as compras, mas não conseguem, se sentem frustrados e incapazes de lidar com essa situação exagerada de comprar. E, ao longo do tempo, percebem que vão comprando cada vez mais coisas para atingirem a sensação de prazer.

Por quais razões ocorre o comprar compulsivo?
Alguns fatores que contribuem para o desenvolvimento da compra compulsiva incluem desde fatores biológicos e psicológicos, aos sócio-culturais, considerando uma sociedade que estimula a troca rápida de bens de consumo. Famílias de compradores compulsivos geralmente têm outros integrantes que apresentam falta de controle do impulso de comprar, ou de jogar, ou mesmo a dependência química. Também existem alguns estudos que apontam para uma baixa ação dopaminérgica, a chamada Síndrome da Deficiência do Sistema de Recompensa Cerebral, causando esse descontrole.

Na questão comportamental prevalece o fator da baixa auto-estima, pessoas com uma identidade frágil que se apóiam na compra de objetos, roupas, acessórios, para mostrarem quem são ou aumentarem sua auto-estima. É o que costumamos chamar de ‘Ter’ para ‘Parecer Ser’.

Como identifico quando alguém está com esse problema?
Observe se a pessoa perde o controle nas situações de compra, verificando se ela apresenta preocupações excessivas com o ato de comprar, tentativas frustradas de diminuí-las, sentidas como um impulso sem controle ou a simples inabilidade de resistir a qualquer objeto de desejo. Perceba se a pessoa compra para buscar prazer, se ao comprar demonstra satisfação e alívio, e mais tarde arrependimento, culpa, sensação de fracasso ou ansiedade.

Verifique se a pessoa passa a ter prejuízos financeiros causado pelo endividamento, falha em cumprir compromissos pessoais e se recorre a mentiras para minimizar o envolvimento com as compras. E, finalmente, se persiste no comportamento de comprar compulsivamente, mesmo diante de muitos prejuízos.

As ‘Compras Compulsivas’ têm tratamento?
Sim. O tempo do tratamento vai depender muito de cada pessoa, dos problemas emocionais envolvidos, da sua motivação para se tratar. É muito comum pessoas que fazem compras compulsivas também apresentarem problemas como ansiedade, depressão e alteração do humor. Por isso é fundamental o acompanhamento médico e o psicoterápico.

Na psicoterapia, por exemplo, a pessoa vai poder rever a forma como lida com as suas emoções, perceber o papel ‘funcional’ do dinheiro na sua vida, estabelecer um novo padrão de comprar etc. Algumas vezes é necessário contar com a ajuda dos familiares, reduzir o acesso ao dinheiro, estabelecer metas para resolver os problemas financeiros, entre outras providências.

Qual profissional pode ajudar o comprador compulsivo?
Você deve procurar ajuda do psiquiatra e o psicólogo. O psiquiatra irá fazer a avaliação das questões pertinentes à depressão, ansiedade, humor e lhe medicar, se for o caso. Isso auxilia muito o tratamento.

O psicólogo, por sua vez, irá auxiliar nas questões emocionais que estão relacionadas ao comportamento do comprar compulsivo. A terapia cognitivo-comportamental vem apresentando excelentes resultados no tratamento de compradores compulsivos. Seu foco é ajudar a pessoa a identificar os pensamentos que influenciam o desejo de comprar, e promover a mudança do comportamento, lidando e evitando as situações que aumentam o desejo de consumo.

Psicóloga Clínica, especialista em Terapias Cognitivas, coordenadora do atendimento de pacientes com Compras Compulsivas do Ambulatório dos Transtornos do Impulso (AMITI)

Hipertensão pode levar a AVC silencioso

Infartos lacunares silenciosos, ou seja, uma espécie de AVC que parece não deixar nenhum sintoma visível, mas que pode causar algum dano ao cérebro, são muito comuns em pessoas com mais de 60 anos, especialmente aquelas com problemas de pressão alta. É o que indica estudo publicado em julho passado no periódico Neurology, da Academia Americana de Neurologia.

Esse tipo de AVC não é exatamanente silencioso, diz Perminder Sachdev, da Universidade de New South Wales, na Austrália. De acordo com o pesquisador, esse tipo de problema pode ser evidenciado através de falhas na memória ou outras dificuldades ligadas à linha de raciocínio e se constituem em uma possível causa de demência. A pressão alta, continua Sachdev, é uma condição de fácil tratamento e deve haver um trabalho de prevenção nessa área para diminuir a incidência de doenças vasculares.

O estudo pesquisou 477 pessoas com idade entre 60 e 64 anos que foram acompanhadas por 4 anos. No início do estudo 7.8% dos paticipantes sofreram infartos lacunares silenciosos, e pequenas áreas danificadas do cérebro ficaram visíveis por meio de exames de ressonância magnética, mas nunca causaram nenhum sintoma visível. Ao final de 4 anos de acompanhamento, esse número aumentou para 8,4%. Os pesquisadores identificaram que pessoas com pressão alta tinham 60% mais chances de sofrer AVCs silenciosos. Pessoas com algum tipo de dano cerebral ligado aos chamados “hipersinais em substância branca” (disfunções na massa interna do cérebro e que são visíveis no exame de ressonância magnética) também se mostraram cinco vezes mais propensão aos infartos lacunares silenciosos.

University of New South Wales

terça-feira, 22 de dezembro de 2009

Saiba o que é resiliência, o poder de superar a dor e recomeçar a vida

Problemas diários, perdas, traumas emocionais, emoções e sentimentos marcantes. Essas e muitas outras razões interferem, muitas vezes negativamente, na vida de milhares de pessoas. Como superar os problemas pessoais? As metas não atingidas? Como se tornar mais forte e aprender com as dificuldades? Para alguns a infelicidade é apenas uma pequena barreira, mas para outras pessoas pode se tornar uma enorme muralha - incapaz de ser ultrapassada.

Nesse momento o caminho a seguir tem apenas dois sentidos: superar as dificuldades ou ser mais uma vítima dela. Nesse contexto entra o estudo sobre a superação humana, a resiliência - termo muito semelhante à referência derivada da Física, ou seja, é o desenvolvimento de habilidades que possibilitam melhores meios de enfrentamento, com o menor dano possível, das agressões estressoras e revezes sofridos em nossa vida cotidiana. "Essa capacidade de enfrentamento, que deve ser interpretada como 'combater o bom combate' ou 'lutar a boa luta', na maioria das vezes poderá ser atingida através de técnicas de treinamento especializado, geralmente com profissionais psiquiatras ou psicólogos", comentou durante entrevista ao Terra o professor-doutor Elko Perissinotti - coordenador do Núcleo de Resiliência do Hospital-Dia-Adultos do Instituto de Psiquiatria do Hospital das Clínicas de São Paulo.

Os resilientes têm uma incrível capacidade sadia de auto-julgamento, de respeitar as diferenças vivenciais e existenciais das outras pessoas, conseguem amar, têm grande compaixão, ética, coragem e sabedoria. A facilidade para corrigir os erros e defender os acertos é outra característica marcante. "Longe de ser um idiota, um inocente ou um dócil carneirinho, a pessoa resiliente é, isto sim, uma grande estrategista num gigantesco jogo de xadrez. Sabe reconhecer com rapidez e perspicácia o momento certo da luta ou da fuga (e isso nada mais é que auto-preservação, portanto, sabedoria em evitar danos graves à sua vida)", afirmou Perissinotti.

A palavra resiliência está entre o assunto do momento porque, equivocadamente, muitas pessoas acham os resilientes superiores. Segundo o psiquiatra, quando o comportamento é imitativo, fingimos ser resilientes, e assim vivemos de truques ao invés de sabedoria. "A moda é sempre ditada pelo senhorio, a quem obedecemos cegamente na necessidade de sermos aceitos socialmente a qualquer custo. Isso é o oposto de resiliência. Não deveríamos ficar desempenhando papéis durante todo o tempo de nossas curtas vidas. De fato, a vida é muito curta, mas nunca deveria ser pequena", disse.

Os traumas não podem ser vencidos, apenas aprendemos a conviver pacificamente com eles. A criança, por exemplo, está em fase de estruturação da personalidade e somente "superará" traumas com mais facilidade se for amada pelo adulto, no caso os pais, isto é, se houver "attachment" - apego ou aconchego. O adulto já apresenta uma personalidade estruturada e mais defendida. Orgulho, vaidade, "status" e onipotência simulada não combinam com facilidade para "superar" traumas. Daí podem aparecer doenças como depressão e transtorno de pânico. Essa seria uma situação de baixíssima capacidade de resiliência.

A bancária Cristiane Barros, se enquadra no perfil dos resilientes. De fala calma, ela admite sempre buscar a razão dos problemas para então partir para a solução. "A vida não é feita só de alegria", disse. "Então não caio desespero. Jamais." Após a morte do pai, ela conta que não há mais dificuldade que não consiga superar. "Aprendi isso com meu ele, era certeiro quando falava." A superação não é hereditária e nem genética, é congênita e, sobretudo, cultural. A grande maioria das pessoas pode tornar-se resiliente, porém, não todas. Além de qualidade, é uma oportunidade de diminuir um pouco o sofrimento humano.

Perissinotti conclui dizendo que é possível encontrar o equilíbrio entre a vida desejada e os problemas diários reconhecendo a veracidade e existência de ambos. "Os sonhos que temos na vida não devem ser evitados, da mesma forma devemos saber que não há como não ter problemas na vida - e esses problemas são mesmo diários." Tarra sáude